domingo, 3 de agosto de 2008

Santa Clara de Assis


Santa Clara de Assis

11 de Agosto

A Padroeira da Televisão

“Por Divina Inspiração, vos fizestes filhas e servas do Altíssimo Sumo Rei e Pai Celestial e vos desposastes com o Espírito Santo, escolhendo viver segundo a perfeição do Santo Evangelho.”


Ó Assis, berço de São Francisco e Clara, em ti, a humanidade reverencia a paz tão sonhada e contempla a simplicidade nos desígnios do Senhor.

Quem foi Clara

Corria o ano de 1193, no berço nobre dos Offrducci nascia Clara, uma linda menina que encantava à todos com sua beleza.
D. Ortolana, quando grávida, foi em peregrinação à Terra Santa, e lá, em oração, teve certeza que haveria de ter uma filha que iluminaria o mundo, daí porque chamou-a Clara.
No ano de 1205, quando Francisco, filho do rico comerciante de tecidos, Pedro Bernardone, havia abandonado uma vida cheia de promessas, bem como a herança familiar, para viver o Evangelho de Jesus Cristo, integralmente, isto é: viver o Evangelho em sua pureza! Qual seu sonho? Libertar o coração das pessoas da escravidão das riquezas e do poder, fontes, naquele tempo, de muitas injustiças e desgraças. Ser um “homem livre” como “as aves no céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem no celeiro e Vosso Pai do Céu as alimenta!”.(Mt 6,26)
Assim, livre da preocupação do ter, Francisco buscava somente “ser”! Vários amigos haviam seguido o seu exemplo. Clara, também aos 18 anos de idade, queria seguir esse caminho, mas seus familiares eram contrários. Para realizar este projeto teve que sair de casa às escondidas, na noite de 18 de março de 1212, para chegar até Francisco e seus companheiros, em Santa Maria dos Anjos.
Frei Francisco mesmo cortou os lindos cabelos de Clara e colocou sobre seus ombros uma roupa grosseira de pano marrom que cingiu nos rins com um cordão. E Clara prometeu a Deus viver daí em diante, em castidade e pobreza. Para que pudesse escapar das perseguições de seus parentes, sobretudo, deu um tio furioso, foi conduzida até as Irmãs Beneditinas do Mosteiro de São Paulo. No dia seguinte, os Offreducci se apresentaram com a intenção de reconduzi-la a casa. Mas como eles se esforçaram para arrancá-la do altar onde se segurava, o véu caiu e apareceu sua cabeça com os cabelos cortados. Impressionados e apavorados, esses “arrebatadores” se foram, abandonado-a ao seu destino. Logo que ela começou a residir junto a Igrejinha de São Damião, algumas companheiras, e também sua irmã Inês, acabaram se associando e formando a Segunda Ordem de São Francisco. Eram chamadas de “Damas Pobres” ou “Clarissas”, por causa do nome da iniciadora do grupo. Francisco vinha raramente se encontrar como Clara e suas companheiras, mostrando grande espírito de desapego que, sem duvida, é uma forma de pobreza.
Uma narrativa relacionada a Santa Clara nos diz que ela havia suplicado de joelhos, para que viesse dar uma ultima benção ao grupo das Clarissas. Francisco não teve como resistir ao convite. Na fora da despedida, Clara insistiu: “E agora, quando nós nos poderemos rever?”. “Quando as rosas florescerem” foi a resposta pronta de Francisco, esperando assim, colocar a próxima visita mais pra frente. A estação era de pleno inverno. De repente, Clara chamou seu mestre de volta dizendo: “Veja meu pai!” E Francisco voltando, viu no meio da vegetação antes despojada, rosas com pétalas abertas e floridas.
Uma outra vez, alguns meses antes de sua morte, Frei Francisco, fatigado e doente, pediu hospedagem no Mosteiro de São Damião. Clara o acolheu e lhe deu como abrigo uma choupana coberta de folhas no jardim do mosteiro. E lá, naquela choupana, Francisco ditou o “Cântico das Criaturas”, um hino de louvor à Deus por todas as obras criadas.
Quando no ano seguinte, 1226, Frei Francisco veio a falecer, Clara conseguiu que seu corpo fosse trazido e introduzido no mosteiro para que ela e as irmãs pudessem contemplar pela ultima vez, o querido pai que partira.
Como Clara, as irmãs não puderam sair para o enterro que aconteceu em uma Igreja de Assis. Clara com grande emoção, pode acompanhar os ritos fúnebres do enterro, de sua própria cela, pois as imagens foram projetadas na parede, um grande prodígio que Deus concedeu a ela. Este fato permitiu que ela fosse escolhida como a padroeira da televisão.
Durante o assedio dos bárbaros sarracenos contra a cidade de Assis, prevendo o assalto dos soldados ao convento construído no limite dos muros da cidade, Clara, embora doente, levantou-se, dirigiu-se ao altar do Santíssimo Sacramento, tomou nas mãos a custodia com a Sagrada Hóstia e se apresentou aos assaltantes. Apoderou-se dos bárbaros um pânico inexplicável, os outros fugiram as pressas.
Após a morte de Frei Francisco, em 03 de outubro de 1226, Santa Clara viveu ainda 27 anos e veio a falecer com 60 anos de idade, no dia 11 de agosto de 1253.

Oremos

Santa Clara clareai,
Com São Francisco por nos rogai,
As preces a Jesus levai,
Nos nossos jovens, os sonhos inspirai,
Pelas vossas irmãs clamai,
A família franciscana abençoai,
Pelo mundo inteiro clamai!
Amém.

Amém!

Paz e Bem!

Um comentário:

.:: Prof. Adm. Marcelo Tetel .:: disse...

Que a vinda da pequena Clara na nossa família seja abençoada pelas mãos de Santa Clara, que nos ilumine e nos dê muitas alegrias.

Paz de Cristo à todos.

Marcelo Leite de Medeiros