Santa Teresa de Jesus (d’Ávila)

Santa Teresa de Jesus (d’Ávila)


Doutora da Igreja

15 de outubro

“Nada me perturbe, nada me espante, tudo passa, só Deus não muda. A paciência tudo alcança! Quem a Deus tem, nada lhe falta, só Deus basta. Amém.” (Santa Teresa)

O ano de 1515 marcou para sempre a história da bela cidade de Ávila, na Espanha. Nasce para a Igreja e para o mundo a grande doutora da Igreja, Santa Teresa de Jesus.
Era, para o mundo, o século das grandes conquistas. Seus pais eram Alonso de Cepeda e Beatriz de Ahumada; eram nobres e muito piedosos; segundo seus biógrafos tiveram nove filhos. Na pia batismal nossa Santa foi batizada como Teresa de Cepeda y Ahumada.
Sua infância foi marcada pelas brincadeiras com os irmãos; o seu temperamento vivaz chamava a atenção de todos, pois aos 7 anos fugiu de casa para, segundo ela, sofrer o martírio entre os mouros na África.
O que despertou o desejo do martírio foram os livros que relatavam a vida dos santos mártires. A pequena Teresa sempre esteve às voltas com bons livros desde a mais tenra infância. Seu companheiro de aventuras era seu irmão Rodrigo.
Quando completou 12 anos sentiu a dor da perda. Sua bondosa mãezinha veio a falecer depois de uma breve enfermidade. A família sofre unida, sem perder a fé. Teresa, prostrada diante da imagem da Ssma. Virgem exclamou, “Mãe de misericórdia, a vós eu escolho para serdes minha mãe. Aceitai esta pobre orfãzinha no número de vossas filhas”. Sempre foi amparada pela Virgem Maria.
Já na adolescência deixou-se levar pelas vaidades. Por um tempo afastou-se das leituras religiosas, preferindo as profanas. As amizades fizeram a jovem Teresa perder o fervor e a devoção da infância.
Aos 20 anos seu pai entregou-a aos cuidados das religiosas agostinianas. A conversão foi imediata, firme e decidida. Foi neste tempo que uma grave enfermidade obrigou-a a voltar para casa, e na casa paterna sentiu um profundo desejo de servir a Deus na solidão do claustro.
O Sr. Alonso, ao saber de seu plano, opôs-se terminantemente. Teresa fugiu de casa. Seu destino: o mosteiro das Carmelitas de Ávila. Muitas foram as provações durante o tempo de noviciado. A jovem Teresa se prostra diante do Crucificado, e, lavada em lágrimas, implora a graça da fortaleza e da perseverança em servi-lo. A oração foi ouvida graças a intercessão da Ssma. Virgem e de São José.
Teresa sempre foi uma religiosa exemplar e determinada. Não admitia a mínima falta, e, nem o menor pecado venial; suas penitências eram rigorosas. Em uma das suas visões lhe foi mostrado o inferno; tal visão lhe impressionou tanto que sugeriu que os Carmelos restabelecessem a regra carmelita em todo o seu rigor primitivo.
Muitas foram as contrariedades. Teresa, porém, tendo a intuição de agir por vontade de Deus segue com seus planos e vence!
Com muita determinação põe os pés na estrada; viaja pela Espanha de alto a baixo (era chamada a “Freira viajante”) para erigir e ou reformar conventos.
Foram 32 mosteiros (17 femininos e 15 masculinos) por ela fundados, e outros tantos reformados. A antiga regra entrou em vigor.
Teresa de Jesus foi uma mística por excelência; sua vida interior, suas orações eram tão intensas quanto marcadas por visões e revelações celestes. Foi em um destes êxtases que teve o coração transpassado com uma seta de fogo por um anjo. Este fato é lembrado por toda a ordem carmelitana em cada 27 de Agosto. É a Festa da transverberação.
Os tempos seguintes foram de grandes provações. O inimigo, furioso como estava, semeou a discórdia e a perseguição a nossa Santa.
Em silêncio, oração e obediência, Teresa recolheu-se a um dos conventos, até que em 1580 o papa Gregório XIII declarou autônoma a ordem carmelitana descalça.
Santa Teresa era dotada de grande inteligência; seus conhecimentos teológicos eram profundos e bastante elevados. Era diante de Jesus sacramentado que Teresa achava a força necessária para a luta e para a vitória.
Seu diretor espiritual, São Pedro de Alcântara, era um mestre e para todas as situações tinha um sábio conselho. Dentre os dons extraordinários de Teresa estava o dom de ler as consciências e predizer o futuro.
Muitos foram os sofrimentos físicos, morais e espirituais. Atravessou a noite escura com tormentas violentíssimas visando abalar as suas estruturas sólidas de fé. Foi na oração que ela atingiu o mais alto grau da vida mística.
Teresa encontrou na própria ordem carmelitana masculina o frei João da Cruz, um místico de elevado valor e de inquietações semelhantes às suas. Santa Teresa e São João foram as colunas da mística e da oração para a Igreja de todos os tempos.
Os amores de Teresa eram: o Menino Jesus e a Ssma. Virgem e o glorioso São José (todos os conventos eram colocados sob a proteção de São José).
Oito anos antes de deixar este mundo, foi-lhe revelada a hora da morte. Sentindo esta hora se aproximar, dirigiu uma fervorosa circular a todos os conventos da ordem. Recebeu com muita devoção os santos sacramentos e constantemente rezava, “Meu Senhor, chegou afinal a hora desejada, que traz a felicidade de ver-vos eternamente”. – “Sou uma filha de vossa Igreja. Como filha da Igreja católica quero morrer.”
“Senhor, não me rejeiteis da vossa face. Um coração contrito e humilhado não haveis de desprezar.”
Teresa de Jesus, com a idade de 67 anos, retorna para casa do pai, e como São Paulo repete, “Combati o bom combate. Guardei a fé...”
Logo após a morte, o corpo de Santa Teresa exalou um suave e delicioso perfume que permaneceu até o sepultamento; era o ano de 1582.
O coração transpassado pela lança de fogo apresenta uma larga e profunda ferida e acha-se guardado no Carmelo de Alba.
Deixa relatada sua história no magnífico Livro da Vida; um clássico para todos aqueles que buscam aquele algo mais na vida espiritual.
No ano de 1970, o então papa Paulo VI, declarou Santa Teresa de Jesus “Doutora da Igreja”.
Aqui em Itajaí, temos o privilégio de contar com a presença das filhas espirituais de Santa Teresa. No Carmelo que traz seu nome, as carmelitas, como que para-raios, rezam intermitentemente por todos nós, conhecidos ou não, amigos ou não. As nossas irmãs, no silêncio e na clausura, nos dão o exemplo de seguimento a Cristo, um seguimento sem reservas...
Que Santa Teresa nos inspire e interceda por nós,

Amém,


Paz e bem!   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

São Miguel Arcanjo

Santa Catarina de Alexandria

São Roque