quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Padre Cícero Romão Batista


Padre Cícero Romão Batista

“O Santo do Sertão Nordestino”

O Brasil com suas características próprias, acolhe desde os primórdios de sua história as mais diversas manifestações religiosas. Somos um país católico onde a religiosidade popular é mais forte e poderosa que os poderes constituídos.
A Vida do Padim Ciço é um misto de fé e poder, um sertanejo carismático que por sua bondade e determinação, organiza uma comunidade e nela exerce o Ministério Sacerdotal e de líder político.

Quem foi Cícero Romão Batista?


Nasceu no Crato (Ceará) no dia 24 de Março de 1844, seus pais eram Joaquim Romão Batista e Joaquina Vicência Romana (D. Quinô).
O pequeno Cícero com seis anos de idade iniciou os seus estudos com o Prof. Rufino de Alcântara Montezuma.
Os estudos eram a paixão de Cícero, nutria uma grande afinidade com os livros, a vida dos Santos e dos Mártires o encantavam. Aos doze anos, influenciado pela leitura da vida de São Francisco de Sales, fez voto de castidade.
Quando completou dezesseis anos no ano de 1860, foi matriculado no Colégio do Padre Inácio de Souza Rolim, em Cajazeiras – Paraíba. Lá permaneceu somente por dois anos, tendo em vista a morte inesperada do seu pai no ano de 1862.
Cícero é obrigado a voltar para casa, para cuidar de sua mãe e suas irmãs solteiras, além do pequeno comércio deixado pelo pai.
As dificuldades aumentaram, a família passou por grandes apertos, e somente em 1865, Cícero foi para o Seminário de Fortaleza com a ajuda do Coronel Antônio Luiz Alves Pequeno que era seu padrinho de Crisma.
Foi ordenado no dia 30 de novembro de 1870 e retornou ao Crato aguardando a definição do Bispo sobre seu destino.
Padre Cícero foi convidado pelo Prof. Semeão Correia de Macedo para visitar o Juazeiro (então pertencente ao Crato), para celebrar a Missa do Galo no Natal de 1871.
Foi amor a primeira vista, a pequena Juazeiro encantou-se com a oratória do jovem Padre de 28 anos, estatura baixa, pele branca, cabelos claros e olhos azuis. A recíproca foi verdadeira.
Em Abril de 1872, Padre Cícero chega com a família para fixar residência naquele pequeno aglomerado de casas de Taipa e uma pequena capelinha dedicada a Nossa Senhora das Dores.
O Ardente desejo de evangelizar aquele povo humilde que lhe fora confiado, fez do Padre Cícero um incansável missionário, pregando, visitando, exortando. Era todo um trabalho Pastoral que precisava ser feito.
Padre Cícero exerce sobre o povo de Juazeiro um domínio absoluto, toda a população o tem como amigo e conselheiro, a base de todo o seu trabalho foi à família.
No dia 10 de março de 1889, um fato fora do comum transformou a vida de Juazeiro e á vida do Padre Cícero para sempre.
Naquele dia ao distribuir a comunhão aos fiéis durante a Santa Missa, Padre Cícero foi surpreendido com o fato da Beata Maria de Araújo, ao receber a hóstia consagrada, não pode engolir, pois a mesma transformara-se em sangue.
O fato repetiu-se outras vezes, e o povo achou que se tratava de derramamento do sangue de Jesus. Todas as toalhas com as quais limpavam a boca da Beata e que ficaram manchadas de Sangue passaram a ser objeto de veneração popular
Apesar de toda a cautela de Padre Cícero o povoado passou a ser alvo de peregrinação e da especulação de toda a imprensa do estado.
As noticias chegaram ao Bispo Dom Joaquim José Vieira, Padre Cícero foi chamado a Fortaleza para dar explicações sobre o acontecimento.
Dom José ouviu o Padre Cícero e convocou varias comissões para estudar o caso. Alguns foram a favor, outros contra e por fim concluíram que não houve milagre.
O povo protestou, Padre Cícero e outros padres também, e o relatório foi enviado a Roma. Padre Cícero Romão Batista teve a suspensão da Ordem.
Proibido de celebrar, Padre Cícero ingressou na vida política da cidade, foi padrinho de milhares de crianças, participou da emancipação política de Juazeiro, e o seu 1º Prefeito também chegou a Deputado Federal.
Sua casa era visitada por romeiros, sacerdotes, políticos e era grande o numero de correspondências recebidas e todas eram por ele respondidas.
No ano de 1926, teve um único encontro com o Rei do Cangaço o temível – Lampião – e para ele deu um único conselho – “Deixar a vida no Cangaçeiro”.
Padre Cícero foi o maior benfeitor de Juazeiro: trouxe para Juazeiro os Padres Salesianos e os Capuchinhos, doou o terreno para o 1º campo de futebol, construiu várias capelas, incentivou a fundação do 1º Jornal local (O Rebate), fundou a associação dos empregados no comércio, construiu o orfanato Jesus, Maria, José; estimulou a expansão da agricultura com novas técnicas de Plantio, dinamizou o trabalho dos artesãos como fonte de renda, instalou a Escola Normal Rural e levou os trabalhos dos artesãos para exposição no Rio de Janeiro.
Transformou Juazeiro do Norte numa das mais importantes cidades do Ceará, e conhecida em todo o Brasil.
Pe. Cícero morreu aos 90 anos, no dia 20 de Julho de 1934, seu sepultamento foi gigantesco, uma multidão se comprimia para a despedida do Padim Ciço. Morreu sem ter revogação de sua sentença.
Padre Cícero é uma das figuras mais biografadas do mundo. Sobre ele existem mais de duzentos livros sem falar nos artigos de jornais e revistas.
Juazeiro é visitado anualmente por 2,5 milhões de Romeiros.
Nosso Papa Bento XVI é um grande incentivador da causa de beatificação Pe. Cícero, com grande expectativa aguardamos o pronunciamento da Santa Sé e ai sim com todo o povo nordestino chamaremos: O Santo Cícero Romão Batista de todos os brasileiros.
Amém

5 comentários:

SOS DIREITOS HUMANOS disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA…



“As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado



O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará no ano de 1937, contra a comunidade de camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, que tinha como líder religioso o beato “JOSÉ LOURENÇO”, paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre Cícero Romão Batista, encarados como “socialistas perigosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como se fossem juízes e algozes.



A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará foi de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO / CRIME CONTRA A HUMANIDADE é considerado IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira bem como pelos Acordos e Convenções internacionais, e por isso a SOS – DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – Ceará, ajuizou no ano de 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que: a) seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) sejam os restos mortais exumados e identificados através de DNA e enterrados com dignidade, c) os documentos do massacre sejam liberados para o público e o crime seja incluído nos livros de história, d) os descendentes das vítimas e sobreviventes sejam indenizados no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública inicialmente foi distribuída para o MM. Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, redistribuída para a 16ª Vara Federal na cidade de Juazeiro do Norte/CE, e lá chegando, foi extinta sem julgamento do mérito em 16.09.2009 a pedido do MPF.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife, com os seguintes argumentos: a) não há prescrição porque o massacre do Sítio Caldeirão, é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos das vítimas do Sítio Caldeirão não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do Czar Romanov, que foi morta no ano de 1918 e encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, a exemplo dos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo desaparecimento forçado de 1000 pessoas do Sítio Caldeirão.



QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem encontrar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes procurados na Chapada do Araripe mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



COMISSÃO DA VERDADE ATRAVÉS DO PROJETO CORRENTE DO BEM


A SOS DIREITOS HUMANOS solicita apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, também que o internauta divulgue esta notícia em seu blog, e o envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal que informe a localização da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão.



Paz e Solidariedade,



Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
http://www.sosdireitoshumanos.org.br

Márcio disse...

Obrigado pelas informaçoes, foram de grande valia!

Paz e Bem


Marcio Antonio Reiser OFS

clara disse...

como historiadora é meu dever contribuir espalhando este genocídio que atribuo de covardia eminente,alem de um ato de crueldade uma ação ditadora.

Resistência Católica disse...

Cícero Romão Batista não é santo, e foi excomungado por Leão XIII. Atualmente, Dom Fernando conduz o processo de reabilitação do padre Cícero junto ao Vaticano. O que confirma que ele foi excomungado...

Não espalhem mentiras!

Resistência Católica disse...

@SOS Direito Humanos... parem com essa mentiras! Honre o Exercito Brasileiro que livrou o Brasil da peste do marxismo!