terça-feira, 23 de setembro de 2008

Senhora da Conceição, Aparecida do Brasil!


Senhora da Conceição,
Aparecida do Brasil!


12 de outubro

“...O Santuário Nacional de Aparecida é o Coração Mariano do Brasil: Maria nos acolhe neste cenáculo e, como Mãe e Mestra, nos ajuda a elevar a Deus uma prece unânime e confiante” (Bento XVI).

O que nos diz a história


Corria o ano de 1717, mais precisamente a segunda quinzena do mês de outubro, conforme descreve o então vigário de Guaratinguetá, Pe. José Alves de Villela, quando da chegada na Vila de Guaratinguetá, do Conde de Assumar, que estava de passagem em direção às Minas Gerais.
Foram convocados todos os pescadores da Vila, e de Dom Pedro de Almeida, governador da Capitania de São Paulo, receberam a incumbência de trazer o maior número de peixes possível para a comitiva do Conde.
Dentre os melhores escolhidos destacavam-se os pescadores Domingos Garcia, João Alves, e Felipe Pedroso; homens honestos e piedosos, que saíram pelas águas do rio do porto de Itaguaçu, cheios de entusiasmo.
Horas exaustivas de trabalho e nenhum peixe conseguiram apanhar, as águas do rio Paraíba eram cobertas de vegetações, próprias a proliferação de peixes.
João Alves invoca a Senhora da Conceição e lança sua rede de arrasto e ao puxá-la de volta encontra, entre a vegetação um corpo de uma imagem. Novamente lança a rede e recolhe a cabeça. Era a imagem da Senhora da Conceição. Os três, estupefatos, rendem homenagens à Aparecida das águas.
Como que por inspiração, ou, talvez, por lembrarem da pesca milagrosa do evangelho, decidem lançar novamente as redes, e para espanto de todos, elas quase se rompiam com a quantidade de peixes; o milagre da multiplicação dos peixes aconteceu assim como em Cana: “Eles não têm mais vinho, mais peixe...”.
Felipe Pedroso levou a imagem para sua casa; depois de 15 anos, deu a imagem ao seu filho Atanásio Pedroso e este fez, o primeiro oratório e sobre um altar de rudes troncos, entronizou aquela que seria a Rainha e Padroeira do Brasil.
Incontáveis milagres foram sendo registrados pelo povo simples, a santinha Aparecida, como a chamavam, não deixava ninguém ao desamparo. Era para todos o bom conselho, a consoladora, o poderoso auxílio, etc...
A primitiva igreja foi inaugurada no dia 26 de Julho de 1745, pelo Pe. Villela, e a basílica velha começou a ser construída em 1844, sendo concluída em 1888.
No ano de 1893, Dom Lino Rodrigues de Carvalho denominou o novo templo de: “Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida”, tendo Pe. Claro Monteiro como 1º vigário.
Em 1894, chegam em Aparecida, os missionários redentoristas. Dez anos depois, ou seja, em 8 de dezembro de 1904, a imagem foi coroada por Dom José Camargo Barros e a coroa foi oferecida pela Princesa Isabel.
O santuário foi elevado à basílica em 1908. No ano de 1929, em 8 de setembro foi declarada Rainha do Brasil e no dia 16 de Julho de 1930 o Papa Pio XI confirmou a autenticidade dessa proclamação e declarou Nossa Senhora Aparecida padroeira, diante de Deus e da nação brasileira.
A nova basílica começou a ser construída em 1959 e foi sagrada oficialmente pelo Papa João Paulo II em 04 de Julho de 1980, passando a chamar-se catedral-basílica.
Em 1980, o dia 12 de outubro passou a ser feriado nacional por um decreto do presidente João Batista Figueredo.
A Senhora Aparecida, a humilde Serva do Senhor, é solidária com os negros escravizados nas terras do Brasil. A imagem de terracota mede 39 cm, com um pequeno sorriso nos lábios, quer nos confortar; as mãos postas nos lembram a sua valiosa intercessão. Ela é a Imaculada encontrada nas águas para nos lembrar a fonte batismal e o novo nascimento para a vida de fá e em comunidade.
Quando entramos no santuário de Aparecida temos a certeza de estarmos na casa da mãe, tão acolhedora e tão solícita, o que nos comprova é a sala dos milagres.
A Virgem Mãe de cor morena é tão parecida com o povo brasileiro, que desejou ser conhecida como Senhora Aparecida.
O coração do povo brasileiro bate mais forte no altar da Aparecida. Ela é Nossa Mãe e Senhora e está sempre a nos exortar: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo. 2, 5).
“Neste lugar a Virgem, há mais de dois séculos, marcou um encontro singular com a gente brasileira” (João Paulo II, 1980 – Aparecida).

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Celebração da Paz!


Celebração da Paz!

“Gloria a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens de Boa Vontade” (Lc 2.14). Anunciaram os anjos no nascimento de Jesus.
E o próprio Senhor Jesus, após a ressurreição, pôs-se no meio dos seus. Disse-lhes ele: “A paz esteja convosco”.(Jô. 20.19)
Nosso seráfico pai São Francisco de Assis, o santo da paz, e o homem do milênio, sintetizou o evangelho rezando assim:

Senhor,
Fazei de mim um
instrumento de vossa paz!

Onde houver ódio,
Que eu leve o amor;
Onde houver discórdia,
Que eu leve a união;
Onde houver duvida,
Que eu leve a fé;
Onde houver erro,
Que eu leve a verdade;
Onde houver desespero,
Que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza,
Que eu leve a alegria;
Onde houver trevas,
Que eu leve a luz;

Ó mestre!
Fazei que eu procure mais,
Consolar que ser consolado;
Compreender que ser compreendido,
Amar que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
Perdoando que se é perdoado;
E é morrendo que se vive para a
Vida eterna.


João Paulo II, em Assis no ano de 2002, ao lado de dos maiores lideres religiosos do mundo afirmou que:
-A humanidade tem necessidade da paz!

-A justiça, em primeiro lugar, porque não pode haver paz verdadeira, senão no respeito da dignidade das pessoas e dos povos, dos direitos e dos deveres de cada um, na distribuição eqüitativa dos benefícios, das responsabilidades entre os indivíduos e a coletividade.

Escutemos as palavras, escutemos o vento. O vento recorda-nos o Espírito e o Espírito sopra onde quer.
-Que o Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre a sua face e nos conceda sua graça. O Senhor volva o seu rosto para nós e nos de a paz.

Amém!

Paz e Bem!

Nossa Senhora da Salete



Nossa Senhora da Salete

19 de setembro 1846

“Olhai como crescem os lírios nos campos.
Não trabalham nem fiam. No entanto, eu vos digo: nem Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles” (Lc. 12, 27).


Vivemos com tantas preocupações que não percebemos os dons e as maravilhas que o nosso Deus coloca à nossa disposição.
Estamos nos tornando insensíveis à simplicidade e à beleza do colorido das flores, do canto insistente dos pássaros, do cheiro do mato, das ervas,d o barulho da chuva.
Deus, em sua infinita sabedoria, nos proporciona a cada instante, o espetáculo indescritível e harmonioso que é a vida.
A vida é Dom de Deus e não cabe ao homem qualquer insinuação de destruição e impedimento da mesma.
Em todas as suas manifestações divinas, Deus sempre escolheu os simples e puros de coração.
Crianças, camponeses, pastores, pescadores, agricultores, mães de família, enfim, pessoas sensíveis e disponíveis a ouvir o chamado e a se colocar a serviço do Senhor, sem preocupações com a opinião dos outros.
E assim, Deus mais uma vez, envia Nossa Mãe do Céu para alertar e pedir a conversão de seus filhos, quando esses permanecem insensíveis às manifestações divinas.

A história

Corria o ano de 1846, era o mês de setembro, inicio de outono na Europa, mais precisamente o dia 19, na pequena cidade de La Salete, na França, Diocese de Grenoble.
A vida seguia seu rumo sem grandes acontecimentos para aquele povoado de camponeses simples e humildes.
Os campos de La Salete, próximo aos Alpes, estavam revestidos divinamente de flores diversas, miosótis, margaridas e lírios dos Alpes, formando um espetáculo de rara beleza.
Foi neste cenário que os pastorinhos Maximino Giraud (11 anos) e Melânia Calvat (15 anos), enquanto pastoreavam o rebanho, foram visitados pela Virgem Maria, nossos pastorinhos eram apenas amigos.
Após o almoço, daquele Sábado ensolarado, os pastores, mais precisamente Melânia, avistou no fundo do vale, uma estranha luz que brilhava como o sol.
A pequena pastora chamou a atenção de seu companheiro para o fenômeno.
Ao se aproximarem da luz, esta se abriu ao meio e os pastores puderam contemplar a figura de uma linda mulher sentada sobre uma pedra, com os cotovelos apoiados sobre os joelhos e o rosto escondido entre as mãos, demonstrando uma profunda tristeza.
“A Bela Senhora”, como os pastores definiram a aparição, ao perceber que os mesmos estavam assustados, chamou-os para perto dela, a fim de acalmá-los.
“Vinde, meus filhos, não temais, aqui estou para vos comunicar uma grande noticia. Se meu povo não quiser aceitar, vejo-me forçada a deixar cair o braço de meu Filho. É tão forte e tão pesado que não posso mais segurar. A tanto tempo que sofro por vós...”.
E continuou:
“Os que conduzem os carros (de boi), não o fazem sem abusar do nome de meu Filho. Se a colheita se estraga, não é senão por vossa causa. Bem vo-lo mostrei no ano passado com a colheita das batatas e não fizestes caso. Ao contrário, quando encontráveis estragada, era então que em tom de revolta, pronunciáveis o nome de meu Filho”.
“Se tiverdes trigo, não o semeeis, pois os animais comerão tudo. O que semeardes e o que vingar, reduzir-se-á a pó quando for malhado. Sobrevirá uma grande fome”.
“...os outros farão penitências pela fome. As nozes estragar-se-ão; as uvas hão de apodrecer. Se vocês se converterem, até as pedras e as rochas se transformarão em montões de trigo e as batatas aparecerão semeadas por sobre a terra”.
E ainda continuou:
“...e vocês, meus filhos, fazem bem suas orações?
- Não muito bem, responderam os pastorinhos!
- Ah! Meus filhos, é preciso fazê-la bem, à noite e de manhã. Quando não puderdes rezar mais, recitai ao menos o Pai-Nosso e uma Ave-Maria, devotamente. Quando tiverdes tempo, é preciso rezar mais”.

E ainda falou:
“Somente algumas mulheres idosas vão à missa, os outros trabalham aos domingos, durante o verão. E no inverno, quando não sabem o que fazer, vão a missa para somente zombar da religião. Durante a quaresma vão ao açougue como cães, atrás de carnes”.
E a Virgem concluiu depois, dizendo:
“Pois bem, meus filhos, transmitam tudo o que lhes revelei a todo o meu povo”.
Após ficar alguns instantes suspensa entre o céu e a terra, ela ergueu os olhos para o alto e foi desaparecendo lentamente.
Maximino apressou-se então para juntar algumas flores, que a bela senhora tinha sob os pés, mas elas sumiram repentinamente.
Os pastorinhos voltaram para a vila ao escurecer e contaram a seus patrões tudo o que tinha visto e ouvido da bela senhora.
Após o dia 21 de setembro, começaram as romarias ao local da aparição, cuja veracidade foi comprovada por inúmeros milagres.
No ano de 1852, o Bispo de Grenoble, fundou a Congregação dos Missionários, para propagar a mensagem da Virgem de la Salete e também iniciou a construção do Santuário que ficou pronto em 1879.
Maximino morreu muito jovem e Melânia tornou-se religiosa, sendo uma das fundadoras das “Filhas do Zelo do Divino Coração de Jesus”, e faleceu em 1904, em odor de santidade.

A mensagem das lágrimas

Mélania descreveu pranto de Nossa Senhora: “A Santíssima Virgem chorava quase o tempo todo enquanto falava. Suas lágrimas corriam lentamente até os seus joelhos e desapareciam com as faíscas de luz. Eram brilhantes e cheias de amor”.
“...as lágrimas de Nossa Mãe, longe de diminuir seu ar de majestade, Rainha e Senhora, pareciam embelezá-la e torná-la mais bela e a mais amorosa das mães”.

A cruz e a corrente

Melânia descreve: “Nossa Senhora tinha uma belíssima cruz pendurada no pescoço. Essa cruz era dourada e sobre ela o crucificado [...] Quase nas duas extremidades da cruz, de um lado havia um martelo e do outro uma torquês”. Geralmente interpreta-se o martelo como símbolo daqueles que pela sua má vida e pelo menosprezo a lei divina, pregam ainda mais nosso Senhor Jesus Cristo na cruz. Nesta mesma concepção a torquês representa aqueles que por suas boas ações aliviam as dores do Nosso Senhor, tentando despregá-lo da cruz.

Os olhos


Sobre os olhos da Virgem Mélania descreveu “os olhos da virgem Maria, pareciam mil vezes mais belos que os brilhantes, os diamantes e todas as pedras preciosas mais procuradas. Eles brilhavam como sóis, eram doces, luminosos como um espelho. Em seus olhos via-se o Paraíso, eles atraiam a ela”.

A Mensagem

A Virgem aparece com trajes de camponesa, sentada sobre uma pedra, traz na cabeça um rico diadema dourado, com flores, trajava um avental e seus pés cobertos de flores.
A Virgem falava com simplicidade, do jeito simples dos pastores simples, falava da terra, das plantações e colheitas, do gado e da fome, da oração e da missa. A linguagem era de fácil entendimento para os pastorinhos analfabetos e humildes.
O que a Virgem anunciou aconteceu um ano depois. Um grande flagelo sobre as parreiras (era então desconhecido o oídio), ou mal branco. O escritor e poeta Paul Cloudel afirmou: “as uvas apodreceram”.
Leon Bloy disse: “Os maiores devotos de Maria são ou os grandes pecadores arrependidos ou os inocentes e simples, aqueles que amam com um amor mais intenso se encontra ou entre aqueles que conheceram bem o pecado ou entre aqueles que o pecado não os conheceu”.
Peçamos a Virgem da Salete que interceda por nós, junto ao seu filho Jesus, pois, apesar de se passarem anos, a sua mensagem continua atual, para os nossos dias, apenas com a diferença de simbolismos.
Amém
Paz E Bem!

terça-feira, 2 de setembro de 2008

São Miguel Arcanjo


São Miguel Arcanjo

Príncipe da Milícia Celeste
29 de setembro


“Houve uma grande batalha: Miguel e seus anjos lutaram contra o Dragão. O Dragão também lutou, junto com seus anjos, mas foram derrotados, e não houve mais lugar para eles no céu (Apocalipse, 12, 7-8)”.

Quem como Deus = Miguel

“Deus criou as coisas materiais e espirituais. O diabo e os outros espíritos malignos foram criados bons por Deus, porém tornaram-se maus por si mesmos (IV Concílio Ecumênico de Latrão – 1.215)”.

Antes de ter criado o homem, Deus criou os Santos Espíritos, os Espíritos Puros, isto é, não compostos de matéria, embora por vontade divina, possam às vezes apresentar-se aos homens sob formas corporais: “Deus, desde o princípio do tempo, criou do nada duas espécies de seres: os Espirituais e os Corporais, isto é, os Anjos e o Mundo; e, depois, criou o Homem, sendo constituído de corpo e espírito, que é comum a ambos os seres (IV – Concílio Latrão – 1215)”.
As Sagradas Escrituras falam-nos de anjos agrupados em 9 coros, a saber: Serafins, Querubins, Tronos, Dominações, Potestades, Virtudes, Principados, Arcanjos e os Anjos, que por sua vez, constituem três hierarquias. A primeira hierarquia, os Serafins, Querubins e Tronos, têm por missão o serviço principal perante o Trono de Deus; a segunda hierarquia: Dominações, Potestades e Virtudes que têm por missão o serviço no espaço da Criação; e a terceira hierarquia: Principados, Arcanjos e Anjos, que têm por missão o serviço junto à humanidade na terra.

Deus exalta os humildes e resiste aos soberbos


Quando Lúcifer, arrogante e presunçoso se levanta contra Deus, Deus cria o inferno e nele são precipitados por Miguel, Lúcifer e todos os Anjos rebeldes.
Dizem as Santas Escrituras, quer no Antigo Testamento, quer no Novo Testamento, que o Arcanjo São Miguel foi sempre muito amado e venerado pelo povo de Deus. O Senhor o constituiu guarda e protetor da nação israelita, como se lê no Profeta Daniel: “Surgirá Miguel, o Grande Príncipe, que guardará o teu povo (Daniel 12, 1)”.
São Miguel Arcanjo é honrado e invocado como guarda e protetor da Igreja e como guardião dos agonizantes pois é ele quem leva as almas dos que deixam este mundo, junto do Trono de Deus para o julgamento. A Igreja invoca-o como advogado de defesa na vida e na hora da morte.



As Aparições de São Miguel Arcanjo

São João Evangelista, quando chegou à região de Colossos, fui muito bem recebido em sua pregação e vários abraçaram a fé. Nas suas exortações. São João falou sobre os anjos e anunciou-lhes que o Príncipe das Milícias Angélicas, o grande São Miguel, os tomaria debaixo de sua proteção e que, às portas da cidade. brotaria uma fonte, onde os doentes, com o sinal da cruz e a invocação do Arcanjo São Miguel, encontrariam a cura de todos os males do corpo e da alma. A fonte apareceu e espalhou-se esse acontecimento por toda a região.
São Miguel apareceu a um rico cidadão da região da Frigia, que tinha uma única filha, que era muda, e disse-lhe em sonho: “Conduze a tua filha à fonte dos cristãos e crê na onipotência do seu Deus, que tua fé será recompensada”. Cheio de esperança, pai e filha foram à fonte e lá perguntaram aos cristãos o que deveriam fazer. Eles disseram: “É em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e pela intercessão de São Miguel que nós usamos desta água”. Assim fizeram e, no mesmo instante a menina começou a falar, despertando em ambos um crescer da fé. Pediram o Batismo e em gratidão o homem mandou construir junto à fonte uma igreja.
Os sacerdotes dos ídolos, obstinados nos seus erros, resolveram destruir o santuário. Junto deste, passavam dois rios que eram contidos por diques. Numa noite ouviu-se um forte barulho das águas. Os pagãos tinham destruído os diques e brevemente o santuário ficaria submerso. O eremita, guardião do santuário, ao ver o que se passava, gritou: “Senhor, a Vossa Onipotência clamamos”. Enquanto ele rezava, ouviu-se uma voz vinda do céu. Era São Miguel que descia para desarmar o furor de satanás. Disse ele ao guardião do santuário: “Não temais, o inferno não pode nada contra nós”.
Assim, as águas foram controladas, a terra tremeu e engoliu o grande turbilhão das águas.
As liturgias da Igreja Oriental comemoraram este acontecimento com missões e ofícios próprios no dia 6 de setembro.

O Monte Gargano

Um pastor de gado apascentava uma manada de vacas no alto do monte Gargano, na Itália, um novilho entrou em uma caverna e este desferiu lá dentro uma flecha, a qual retrocedeu com a mesma velocidade vindo ferir quem a lançara.
O fato espalhou-se rapidamente e chegou aos ouvidos do bispo de Siponto, cidade que ficava aos pés do monte Gargano.
O Sr. Bispo convocou a diocese a rezar e jejuar por três dias, pedindo a Deus um sinal. Assim sendo, Deus, ouvindo as preces de seus filhos, envia Miguel ao Prelado pedindo que naquele local da caverna fosse construída uma Igreja em sua honra, para reavivar a fé e a devoção dos fiéis no seu amor e proteção, como Anjo custódio da Igreja Católica.
O Bispo comunica a visão ao povo, e dentro da caverna coloca um altar-mor para as celebrações eucarísticas. O Monte Gargano fica perto do convento de Nossa Senhora das Graça, onde viveu e morreu o Santo Padre Pio de Pietreleina, e este lá esteve inúmeras vezes.
Desde o último dia 15 de Agosto, Festa da Assunção da Virgem Maria, estamos rezando a Quaresma de São Miguel Arcanjo que termina na véspera de sua festa.
Os judeus invocam São Miguel como seu protetor e defensor das Sinagogas. Nas festas da Expiação concluem suas orações dizendo: “Miguel, Príncipe da Misericórdia, ora por Israel”. Daniel – “Contra esses adversários não há ninguém que me defenda a não ser São Miguel, vosso chefe (Dn 10, 22)”.
Diante de tão surpreendentes testemunhos, não devemos esmorecer e sim confiarmos também na valorosa intercessão do Grande Príncipe da Milícia Celeste São Miguel Arcanjo.

Amém!
Paz e Bem!