quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Nossa Senhora da Saúde : És Maria, a Saúde dos Enfermos!


...Perguntai aos enfermos para que nasce esta Celestial Menina, dir-vos-ão que nasce para Senhora da Saúde; perguntai aos pobres, dirão que nasce para Senhora dos Remédios...(Padre Antonio Vieira).

Desde o primeiro instante de nossas vidas sentimos e experimentamos os mais diversos tipos de dor e de sofrimento, ele é parte integrante de todo ser vivo, nascemos, crescemos, amadurecemos  e  morremos, é o ciclo natural da vida.Nossos primeiros meses de vida, foram um misto de alegrias e dores, dores de cólicas, febres, os dentes rasgando etc   Nosso corpo já luta e se debate, é a  nossa natureza se impondo pela sobrevivência.
Nós, que trazemos  em nossos corações a certeza da vida eterna, devemos encontrar no sofrimento e na dor , não o desespero mas uma oportunidade de santificação.Toda  dor e todo sofrimento nos proporcionam momentos de reflexão sobre a nossa vida  e nossas escolhas.
Herdamos o pecado original, tivemos a graça, de com o Batismo apagar a mancha que ele nos deixou, porem as consequências do mesmo, trazemos em nossos corpos e elas nos acompanharão até o nosso ultimo suspiro. Devemos lembrar que o SENHOR não nos criou para o sofrimento e para a dor, Ele nos ama e deseja a nossa felicidade total, e esta somente poderemos gozá-la no Paraíso.
O Senhor Jesus veio até nós para nos ensinar o caminho que nos leva ao Pai, Ele tomou nossa humanidade, fez-se  igual a nós em tudo, exceto no pecado. Disse Ele:”Eu Sou o Caminho a Verdade e a Vida” e depois acrescentou:”Quem quiser me seguir tome a sua cruz e venha atrás de mim”.Em momento algum Ele disse que o seguimento seria fácil, então coragem!
Todo aquele que sofre, deve ter sempre o olhar fixo no Crucificado, deve contemplar as chagas dolorosas de Jesus,  o rosto desfigurado, a cabeça marcada com os cruéis espinhos da coroa,o corpo febril, marcado pelas chicotadas, dolorido e se contorcendo em câimbras, sua respiração  ofegante, seu olhar de compaixão e sua voz tremula, porem  corajosa, identificam o seu gesto de amor! Ao que sofre, recomendo que experimente o balsamo do sangue preciosissímo  sobre suas dores e feridas, e sinta o alivio imediato...
Desde a mais tenra idade  que encontramos conforto e alivio no colo de nossas mães.O Senhor nos presenteou com esses seres especiais que chamamos de mãe.É no colo da mãe  que a criança sente confiança, sente alivio, e se sente segura.O Senhor fez esse ser tão especial, que desejou ter uma  para  Si! O Senhor,  pensou em Maria e a escolheu para Mãe do seu filho Jesus, o Verbo encarnado!
Jesus, como homem, também teve seus momentos de dores e sofrimentos, sabemos que Jesus chorou!Mesmo sem trazer em si, a mancha do pecado original, Jesus quis compartilhar  da nossa humanidade sofredora, tomou as nossa dores!
Em se tratando do homem  Jesus, devemos imaginar uma criança, um adolescente, um jovem e um adulto que nas horas difíceis buscava consolo e conforto no colo de Sua Mãe Maria!Era Ela que acalentava o coração de Jesus e o fazia adormecer em seus braços.
Do alto da cruz redentora o Senhor nos mostrou a quem deveríamos  recorrer nos momentos de dor e sofrimento, Aquela que esteve de pé aos pés da cruz, Sua Mãe...
Hoje como ontem, devemos recorrer aquela que é a Saúde dos Enfermos, aquela que nunca nos abandona e sempre nos mostra o que devemos fazer, como fez em Caná  da  Galiléia: ”Fazei tudo o que Ele vos disser”.
Carinhosamente a Chamamos de Nossa  Senhora da Saúde, tendo em vista que herdamos tão sublime devoção dos nossos irmãos portugueses que para cá vieram! Conta-se que em Portugal do século XVI, o povo sofria com as consequências da grande peste que assolava a Europa .Somente no ano de 1569 o contagio chegou ao Maximo, vitimando mais de 600 pessoas por dia, somente em Lisboa. O Rei  Dom . Sebastião  esgotou todos os esforços, tudo em vão! Parecia que era o fim!
Foi quando o Povo se reuniu, em grande numero e buscou refugio em Nossa Senhora.Foram procissões, novenas, Missas  incontáveis... até que a epidemia foi enfraquecendo  de tal maneira que se extinguiu.O povo, com gestos de gratidão elevou o coração a DEUS e rendendo graças exclamavam:”DEUS seja Louvado” e viva a Senhora da Saude.A  feliz noticia se espalhou por toda a Europa e em pouco tempo, era Maria chamada pelo singelo e oportuno título de “NOSSA SENHORA DA SAÚDE”.
O Brasil recém descoberto, viu-se embalado com as noticias da corte, e em varias de suas Capelas, Igrejas, Hospitais  tomou-se a Senhora da Saúde como Padroeira, Patrona etc.
Hoje , como no Século XVI, o povo vive em busca de alivio para suas enfermidades e para tanto devemos recorrer a Senhora da Saúde assim:
“Virgem Puríssima, sois a saúde dos enfermos, o refugio dos pecadores, a consoladora dos aflitos e a despensadeira de todas as graças. Na minha fraqueza e  no meu desânimo, apelo hoje para os tesouros da Vossa Misericórdia e bondade e me atrevo a chamar-vos pelo doce nome de Mãe.Sim ó Mãe, atendei-me nesta enfermidade, daí-me a saúde do corpo, para que possa cumprir os meus deveres com animo e alegria, e com a mesma disposição servir ao Vosso Filho Jesus e agradecer a Vós, SAUDE DOS ENFERMOS.Amem.
Paz e bem!
Marcio Antonio Reiser OFS





Santa Elisabeth da Trindade OCD.

16  de   outubro..

“A vida no Carmelo é uma comunhão com DEUS desde a manhã até a noite e da noite até a manhã. Se Ele não estivesse presente  em nossas celas e nossos claustros, como tudo seria vazio! Mas nós o descobrimos em tudo porque o trazemos conosco, e nossa vida é um céu antecipado”(Elizabeth da Trindade).

Próximo do início do verão, mais precisamente no dia 18 de julho de 1880, num acampamento militar de Avoir(França), perto de Bourges, nasceu ISABEL CATEZ ROLAND, nome recebido na Pia Batismal no dia 22 de julho do mesmo ano.Isabel , era filha de Francisco Jose Roland e de D.Maria Catez Roland.
A menina de olhos vivos e temperamento explosivo, foi sempre um referencial em sua família, era geniosa e inquieta, estava sempre em busca de alguma coisa e por ser muito pequena não entendiam  o motivo de tanta ansiedade! Talvez um mover de DEUS?
Sempre ouvimos que DEUS  prepara aqueles que chama, e assim foi moldando a pequena Isabel que com o tempo tornou-se uma Jovem amorosa, dedicada e compassiva para com todos, quando entrou na juventude, já era uma jovem terna, dedicada aos exercícios de piedade e a pratica da religião.
Como seu pai era um oficial militar francês, ele foi transferido para Dijon, e foi lá que recebeu o premio do Conservatório de Piano, como a melhor e mais dedicada aluna. Isabel, sempre nutriu em seu coração inquieto, o desejo de  tornar-se religiosa deu seus primeiros sinais aos 7anos de idade! Porem foi somente aos 21 anos que ingressou no Carmelo, e adotou o nome de Irmã Elizabeth da Trindade.
Sua vida, como carmelita descalça, revelou ao mundo uma riqueza imensa de escritos e tratados sobre a Trindade Santa, e dizia ela que :”DEUS é tudo em todos”.Suas cartas, seus escritos nos dão conta do quanto essa jovem mergulhou no mistério de amor de um DEUS que é Pai, Filho e Espírito Santo,”DEUS esta dentro de tua alma”, repetia constantemente.
Irmã Elizabeth inebriava-se de amor em seu TRÊS, e foi nesse amor que emitiu seus votos perpétuos no dia 11 de janeiro de 1903, era uma apaixonada pela vida de carmelita, encantava-se com os escritos de Santa Tereza D’Avila e São João da Cruz, era um doar-se a DEUS inteiramente, sem reservas.
A  ascese e a  mística jamais fizeram de Irmã Elizabeth uma pessoa  distante de suas obrigações diárias com a vida de carmelita, era dedicada aos trabalhos mais simples e tudo suportava com amor e resignação.Era simples em tudo o que fazia e escrevia, colocava amor em tudo e seus olhos eram como que janelas abertas para o desconhecido, negros, vivos e brilhantes.Seis anos se passaram desde que entrou para o Carmelo de Dijon, e Irmã Elizabeth, começou a sentir-se fraca, uma tosse insistente não a deixava em paz e em poucos dias constatou-se o pior, Irmã Elizabeth estava com a doença de Addison(Tuberculose), até então incurável, alem de uma ulcera estomacal Em seus momentos de dor exclamava:”Vou à luz, ao amor, à vida”
Irmã Elizabeth entrega-se totalmente ao seu TRÊS no dia 09 de novembro de 1906, estando com 26 anos e deixando ao mundo católico uma obra grandiosa que se distinguem em Elevações, retiros, notas espirituais e cartas.
Foi beatificada pelo Papa João Paulo II no dia 25 de novembro de 1984 e será canonizada no dia 16 de outubro de 2016, pelo Papa FRANCISCO, na Praça de São Pedro em Roma.

“SOFRER É COMPARTILHAR A CRUZ DE JESUS.COM UM OLHAR NO CRUCIFICADO, O SOFRIMENTO SE TRANSFORMA EM ORAÇÃO”.

Amem Paz e Bem!
Marcio Antonio Reiser OFS.