domingo, 31 de julho de 2016

Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus

09 de julho

“Não desanimeis nunca, embora soprem ventos  contrários”

Como não falar com emoção de Santa Paulina, afinal ela esteve sempre tão próxima de nossas vidas, somos quase vizinhos e para chegar ao seu destino, ela desembarcou as margens do Rio Itajai, atravessou a nossa cidade de Itajai e com seus familiares e os demais Imigrantes italianos seguiram em direção a terra prometida a Nova Trento das terras catarinenses.Tive a graça de visitar Trento-Italia e conhecer sua casa paterna, tudo tão simples e tão santo.Por muitas vezes visitei Nova Trento, antes de sua beatificação e canonização, tudo era tão silencioso e pacato, bem diferente do que vemos hoje.Estive em Florianópolis quando da sua beatificação, foi um momento inesquecível, ouvir a declaração de beatificação de Madre Paulina da boca de um outro Santo o Papa João Paulo II.Simplesmente foi um momento único.

Amábile Lucia Visintainer, nascida em 16 de dezembro de 1865,em Vígolo Vattaro-Italia, fila segunda filha do operário Napoleão Visintainer e Dona Anna Pianezzer Visintainer, o casal teve 14 filhos, todos educados na fé católica e nos rígidos princípios da moral e dos bons costumes. Desde cedo Napoleão ensinou os filhos a lidar com a terra e dela tirar o sustento, os mais velhos  ajudavam a cuidar dos menores e assim por diante.Napoleão trabalhava como pedreiro e com suas mãos calejadas puxava o terço do bolso do paletó e a noite, com a mulher e os filhos rezavam juntos o Santo rosário  com devoção e amor a SSma. Virgem Maria!.Tudo era muito sublime...
Amábile  sempre foi uma menina meiga, dedicada, tinha um coração generoso e compassivo, seu olhar estava sempre voltado  para os mais  pobres, os idosos abandonados, os doentes, e com toda a  simplicidade e bondade torna-se tudo para todos, a comunidade nutria  por Amábile um carinho especial. Seus irmãos a tem como uma segunda mãe, sempre que Dona Anna tem que  sair de casa, deixa os pequenos aos cuidados de Amábile.
Contando apenas com 8 anos de idade, Amábile se vê obrigada a sair de casa e ir trabalhar numa Fabrica de tecidos para ajudar a família, a menina era tão frágil que foi designada para separar os casulos do bicho-da-seda, o modesto lanche que levava ainda repartia com as outras meninas que nada tinham.
Uma noticia chegou a Vígolo Vattaro e deixou o seu povo em  agitação, vários jornais noticiavam que quem desejasse ir para o Brasil, como imigrante, receberia terra, dinheiro, trabalho etc, uma oportunidade única:”Vamos tentar a sorte”, é a terra prometida...E assim sendo  em setembro de 1875 cerca de 130 moradores de Vígolo Vattaro partiram para o Brasil.Napoleão e Anna embarcam com seus 5 filhos, Amabile esta com 10 anos e em seu pequeno e generoso coração , sente, mesmo sem saber ,o chamado da missão.
Algumas semanas mais tarde, desembarcam em terras catarinenses, as margens do rio Itajaí-açu, porto de Itajai.Quem estava recepcionando o grupo de imigrantes italianos era o Padre João Maria Cybéo, um Missionário Jesuíta,vindo do Vale do Tijucas, que logo assumiu os cuidados dos trentinos.Assim partiram para  o Alferes,que  logo se chamou Nova Trento.

Sempre foi uma preocupação para os imigrantes a instrução das crianças, para tanto contrataram a professora Marina Dallabrida. A pequena Amabile tinha muita dificuldade para aprender a ler, em seu coração e também no de seus pais brotou uma esperança:Amabile  iria receber a primeira comunhão em breve, e assim pediria essa graça ao SENHOR e foi o que aconteceu!
Amábile sentia em seu coração um desejo de ser toda de DEUS e para os irmãos, e junto com sua amiga Virgínia Nicolodi, nutria o desejo  de servir.Padre Servanzi, confiou as duas jovens, o cuidado com a Igreja, o catecismo das crianças e a assistência aos enfermos, missão cumprida  com zelo e dedicação pelas duas.Tudo corria bem  até que no  ano de 1887, estando Amábile com 22 anos,  é tomada pela dor de perder sua mãe, Dona Anna não resistiu a mais um parto.  Toda a responsabilidade da casa ficou aos cuidados de Amábile, alem do apostolado que lhe fora confiado.Três anos mais tarde, seu pai casou novamente e assim sua vida ficou mais folgada para cumprir sua missão.

Os planos do SENHOR vão a cada dia, se descortinando no cenário da vida das duas coloninhas de Nova Trento, o novo Paroco Padre Marcelo Rocchi, logo percebe nas meninas um toque da graça de DEUS.Amábile confidencia a Virginia, seus planos de construir um casebre perto da Igreja onde as duas poderiam rezar e trabalhar pelos mais necessitados.Virginia gosta da ideia porem questiona o como acontecerá! Se seus pais permitirão, quem construirá a casa?E o Padre o que dirá?”O BOM DEUS VIRÁ AO ENCONTRO.ELE SABE QUE QUEREMOS FAZER A SUA VONTADE; POR ISSO, NA HORA POR ELE ESTABELECIDA, NOS AJUDARÁ”, disse Amábile.
Por causa de uma cancerosa,Angela Lucia Viviani, que tinha necessidade de cuidados, e não tinha quem  os fizesse, pois estava em estado quase terminal, foram as jovens que prontamente se colocaram a serviço da doente, e o fizeram com tanto amor, que tanto a comunidade quanto o Padre, se empenharam em ajudá-las.Padre Marcelo conseguiu um casebre abandonado, que pertencia ao Sr. Benjamim Gallotti, e la então levaram a Sra Angela, era um casebre Hospital de 6X4.No dia 12 de julho de 1890 , teve início uma obra de DEUS nos sertões de Santa Catarina, e tendo como protagonistas duas jovens coloninhas quase analfabetas.São José era o protetor da obra recém fundada.
Tudo era muito difícil, a cancerosa a cada dia ficava pior, o quadro era gravíssimo,  alem do que alguns colonos não apreciavam a vida e o trabalho das jovens, e durante a noite atiravam pedras na casa e não poupavam palavras ofensivas a dignidade das jovens!Depois de um tempo de preparação a enferma pediu para se confessar e morreu na graça do bom DEUS. As duas permaneceram no local que serviria para a catequese, momentos de oração, atenção aos pobres e desvalidos etc.ª…
No ano de 1891, Amábile adoeceu gravemente,estava fraca, debilitada, necessitava de cuidados especiais.Tão logo recuperou suas forças e a saúde, foi-lhe revelada em sonho, a missão a ela confiada:”Ela estava num campo coberto de flores, com videiras cheias de cachos maduros de uvas, um grande numero de meninas vestidas de branco corriam pelo campo brincando felizes.De repente aparece uma escada feita de nuvens e nos primeiros degraus estava a Imaculada Conceição, que sorrindo aponta para as jovens dizendo:’EIS AS FILHAS QUE CONFIO A TI’”
Em 1893, o Jesuita Padre Mantero, que muito admirava a vida e o trabalho das jovens, conseguiu um terreno e começaram a construção da nova casa, e assim no dia de NOSSA SENHORA DE LOURDES, 11 de fevereiro de 1894, as três jovens partem para a nova casa, eram elas:Amábile, Virginia e Teresa.No ano de 1895, no dia 25 de agosto saiu a aprovação diocesana da Pia União da Imaculada Conceição. Dom Jose, recomendou a nova Congregação ao Padre Rossi e pediu que Amabile preparasse a regra de vida das irmãs

Foi, porem no ano de 1896, que as noviças professaram solenemente,Amábile adotou o nome de Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus(Madre Paulina),Irmã Matilde da Imaculada Conceição e Irmã Inês de São José, era um marco para a pequena Nova Trento, nasce uma Congregação, tão somente pela vontade de DEUS e pelo sonho de uma coloninha chamada Madre Paulina.
A Congregação crescia e de uma maneira extraordinária, muitas jovens buscavam a perfeição e a santidade nos passo de Irmã Paulina, o trabalho era árduo, no campo, nas escolas, na confecção das sedas, catequese, atenção aos idosos, enfermos, crianças abandonadas.Eram tantos os campos de ação que em pouco tempo as casas da congregação foram se abrindo em outros lugares, a missão tornou-se grandiosa.Madre Paulina era incansável, amorosa porem determinada e corajosa, para ela não existia trabalho difícil ou impossível, tudo era de DEUS e para DEUS e os irmãos.No ano de 1909 a Congregação passa a se chamar:Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, por determinação de Dom Duarte e teve como superiora Madre Vicência Teodora da Imaculada Conceição...
A Congregação caminhava a passos largos, e aos poucos Madre Paulina vai cedendo espaço, entre tantos acontecimentos, uns venturosos outros nem tantos, tudo concorre para a Gloria de DEUS.No ano de 1938,Madre Paulina se vê obrigada a amputar o braço em consequência de uma gangrena na mão direita, dizia ela:”Vontade de DEUS paraíso meu”.Trabalha confeccionando rosários, flores etc, sempre servindo!No ano de 1942, Madre Paulina percorre o seu calvário ate que  as 5;50 do dia 09 de julho de 1942, Madre Paulina da por encerrada sua missão terrena, para iniciar a celeste, estava com 77anos.Foi beatificada em 18 de outubro de 1991 e canonizada em  19 de maio de 2002.Hoje a congregação conta com mais de 600 Irmãzinhas espalhas pelo Brasil e pelo mundo.

Santa Madre Paulina, roga por nós que recorremos a vòs!
Marcio Antonio Reiser OFS






 

Nenhum comentário: