sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

São Tomas de Aquino


SÃO TOMÁS DE AQUINO
Padroeiro dos Professores e Estudantes Universitários
"28 de Janeiro"

No despontar do ano de 1226 na alta nobreza do castelo de Roccasecca, na cidade de Aquino em Campagna Felice, nasce o nobrezinho Tomás de Aquino. Seus pais, Conde Landolfo de Aquino e Teodora de Taete.
Em poucos dias o pequeno Tomás é levado a pia batismal, todos os olhares se voltam para o futuro daquela frágil criança, afinal, todas as esperanças e um grande império eram nele depositadas.
É bem verdade que os planos de Deus, na maioria das vezes, estão na direção contrária dos nossos. E com o pequeno Tomás, não foi diferente.
Aos 5 anos de idade, o menino Tomás, com os olhos vivíssimos e bem abertos, pergunta aos pais e familiares: Quem é Deus? Todos os presentes, são tomados de surpresa e ninguém consegue definir com precisão o questionamento daquela criança.
Por toda a sua vida, o "Quem é Deus?" será a sua busca incansável, e a causa de tantas obras valiosas deixadas como testamento ao magistério da Santa Igreja.
A pequena cidade de Aquino está localizada aos pés do famoso e histórico mosteiro Beneditino de Monte Cassino. Tomás, com apenas 5 anos de idade, foi levado pelos pais ao mosteiro para ser educado e formado pelos monges de São Bento.
Desde a mais tenra idade, Tomás demonstra ser caridoso, obediente, extremamente inteligente e humilde. Seus estudos e suas buscas parecem não ter limites e fronteiras. Os idiomas são dominados com facilidade, assim como todas as disciplinas.
Aos 15 anos é encaminhado a famosa universidade de Nápoles, onde concluiu seus estudos.
Quando terminaram os estudos, o jovem Tomás vai passar as férias com a família no castelo de Loreto. Por aquele tempo, viviam-se tempos difíceis, a fome assolava a região, muitos e incontáveis eram os pedintes à porta do castelo. Filas intermináveis de homens, mulheres e crianças com os olhos mareados pela fome.
O jovem Tomás assume o compromisso de distribuir pão aos pobres, porém o controle do  ecônomo do castelo é rigoroso, tendo muitas vezes, nosso jovem que sair às escondidas a levar-lhes pão.
No final de um belo dia, Tomás saindo do castelo, tendo em sua capa uma significativa quantia de pães, foi abordado por seu pai e irmãos, que o interrogaram e pediram que lhes mostrasse a capa.
Em obediência, Tomás abre a capa e para espanto de todos e seu também, caem do mesmo um belíssimo ramalhete de rosas perfumadíssimas.
O jovem Tomás sente em seu coração um ardente desejo de seguir a vida religiosa. O mundo da corte e das vaidades não lhe atrai. Por esse tempo ouve falar de uma ordem nova, recém fundada por Domingos de Gusmão. Era uma ordem mendicante e de muitas privações.
O primeiro obstáculo veio de seus pais, sua mãe opôs-se com todas as suas forças, inclusive mandando sequestrá-lo quando ele já estava a caminho de Nápoles.
Tomás volta para casa, por pouco tempo, seus pais até aceitam que se torne religioso, porém nunca numa ordem mendicante.
Dois anos se passaram, Tomás é libertado do cárcere familiar por suas irmãs que o fazem descer em um cesto, onde é aguardado por seus irmãos dominicanos.
Tomás torna-se um homem de estatura alta, forte e bastante robusto.
Frei Tomás inicia um tempo de grandes encontros, e com grandes santos, como Alberto Magno, fora sem dúvidas um encontro de dois gênios santos.
Sua fama espalhou-se rapidamente, todos queriam ouvir seus sermões, ler seus escritos ou simplesmente ouvir seus conselhos.
Frei Tomás é ordenado sacerdote em Colônia, Alemanha, e nomeado pelo arcebispo como assistente de santo Alberto Magno.
Mesmo antes de completar 30 anos, frei Tomás foi enviado a Paris para fazer o doutorado. Lá em Paris lecionou como Bacharel Bíblico, suas virtudes, sua beleza, seus modos e gestos nobres, assim como a sua simplicidade encantava a todos. Seus alunos nutriam pelo padre professor um carinho filial.
Frei Tomás sente-se fraco e doente, um número incontável de curas e milagres foram operados pelo frei santo, visões, diálogos, êxtases. Todos esses fatores foram decisivos para atribuir-lhe tanta santidade. O povo já o tinha por santo!
Frei Tomás escreve sua obra prima, a eternizada - "Suma Teológica", o que ela contém, é um tratado de grande importância e valor para a humanidade.
Com tanta dificuldade, de locomoção, pelo excesso de peso, e uma fistula que tinha na perna, Frei Tomás estava sempre com seu secretário, Frei Reinaldo de Piperno, este era quem escrevia o que Frei Tomás ditava.
Em seus últimos tempos, Frei Tomás teve uma visão, e uma revelação e que pediu que frei Reinaldo só revelasse depois de sua morte.
Tudo o que lhe foi revelado era tão alto e divino que disse: "Tudo o que escrevi até hoje parece-me unicamente "palha seca" em comparação com aquilo que vi e me foi revelado".
Suas forças iam sumindo, frei Tomás nem havia completado 50 anos, quando fora convocado pelo Papa Gregório X, para participar de um Concílio em Lyon na França. Por obediência Frei Tomás parte em companhia de Frei Reinaldo. Já a caminho e perto do castelo de Maenza, seu estado de saúde se agrava, perde o apetite, nada lhe apetece.
Por um mês Frei Tomás permanece de cama no mosteiro de Santa Maria de Fossa Nova. Todos os frades são incansáveis em seus cuidados.
Seu estado piora, recebe os últimos sacramentos e com os olhos fixos na hóstia consagrada, faz sua mais bela declaração de amor: "Eu te recebo preço da minha redenção, viático da minha peregrinação, por cujo amor tenho estudado e velado, trabalhando, pregando e ensinando..."
Era madrugada de 1274, seu rosto é todo luminoso, seus olhos fixos no infinito, marcam para sempre a lembrança de seus irmãos, que se despedem em lágrimas de dor.
Seu funeral foi marcado pela emoção e pela fé. Uma incontável multidão, desejosa de tocar o corpo do santo, e sentir um delicioso cheiro de rosas, acotovelava-se nas portas do mosteiro.
Muitíssimos milagres e curas foram testemunhados durante o velório e por todo o sempre.
Seu corpo incorruptível foi levado para a cidade de Toulouse, na França, em 1368 por ordem do papa Urbano V.
São Tomás de Aquino foi quem preparou, a pedido do Papa, toda liturgia, ofício e missa da solenidade de "Corpus Christi".  O que resultou uma maravilhosa síntese sobre a Eucaristia, e ao mesmo tempo, um monumento de fé e de amor à presença de Cristo na Eucaristia.
Salve Doutor Angélico!
PAZ E BEM!


Márcio Antônio Reiser O.F.S
marcioantonioreiser@gmail.com
marcioreiser.blogspot.com