sábado, 5 de fevereiro de 2011

Nossa Senhora do Brasil


Nossa Senhora do Brasil


22 de Fevereiro


“A Senhora dos Divinos Corações”
“Ergue-te, Mãe de Deus!
Volta à carinhosa face
Que meu cansado olhar se encontre com o teu!
Mas que digo? Eis que me ouves... Mas ai!
A Língua cola-se à garganta, a mente pasma, o peito gela, os lábios emudecem.
Não sei o que pedir, mas tudo peço, ó Mãe, sim, ó Mãe, minha esperança, vida, amor e glória!
Peço-te que me dês teu filho e com ele tudo, pois ele, do meu coração, é Deus, Senhor e Rei.” (Beato José de Anchieta)


O apóstolo do Brasil, Pe. José de Anchieta foi durante toda a sua vida um ardoroso devoto da Ssma. Virgem Maria.
Durante o tempo em que ficou refém dos tamoios, na praia de Ubatuba, escreveu nas areias da Praia, um poema em honra a Virgem Maria com 6000 versos, em latim, e decorando em seguida como prova de seu amor filial.
A Virgem dos Divinos Corações
Segundo uma antiga tradição, Padre Anchieta desejando sempre mais manifestar o seu amor a Nossa Senhora, e assim sendo, encomenda a confecção de uma imagem da Virgem Maria a um índio artesão quando esteve em visita a Pernambuco.
Sob orientações do Padre Anchieta que a imagem foi confeccionada em cedro e tem as feições indígenas. A Virgem traz em seus braços o menino Jesus e ambos ostentam no peito os respectivos corações em cor vermelha.
A tradição também nos diz que a imagem teria estado por muito tempo em um nicho de uma aldeia nativa até ser notada pelos Capuchinhos italianos que a levaram para o Recife e lá foi entronizada na Igreja Matriz.
Por volta do ano de 1828 as Igrejas e Templos de Pernambuco estavam sendo profanadas, as imagens destruídas e muitos sacerdotes, religiosos e religiosas tiveram que fugir da perseguição.
Foi nesse tempo que o Frei Joaquim D’Afragola, fiel devoto da Virgem Maria, retirou a Imagem da Igreja e secretamente remeteu-a para o convento dos Capuchinhos, em Nápoles.
Quando a caixa chegou à alfândega os Frades foram avisados, porém como não dispunham de recursos para retirá-la do local, lá ela permaneceu por muito tempo.
Os funcionários da Alfândega por curiosidade abriram a caixa e ficaram pasmados com a beleza da imagem que ela continha. Juntaram o dinheiro necessário, liberaram a imagem e ela foi enviada ao convento de Santo Efrén.
Quando os frades viram a imagem da Virgem, cheios de emoção resolveram expô-la a visitação e veneração dos fiéis e todos passaram a chamá-la de: “Madona Del Brasile”.
A Igreja de Santo Efrén foi totalmente destruída pelo fogo no dia 22 de Fevereiro de 1840, o que restou foi um amontoado de cinzas.
Quando os frades, ainda consternados, vasculhavam o que restou nas cinzas, encontraram totalmente intacta a Virgem do Brasil. O povo de Nápoles correu ao local para presenciar o milagre o que aumentou ainda mais a devoção dos Napolitanos.
A devoção chegou ao Brasil em 1924, quando o Bispo D. Frederico de Souza Costa, ouvindo falar da virgem do Brasil, viaja até Nápoles e de lá traz a devoção para o Brasil
Vários templos foram erguidos em honra a virgem do Brasil, no Rio de Janeiro, Porto Alegre, e São Paulo.
Nossa Senhora do Brasil é considerada a Padroeira da Família Brasileira. Várias tentativas foram feitas para trazê-la de volta ao Brasil, porém sem sucesso, pois o povo de Nápoles nutre um amor terno pela “Madona Del Brasile”
“Nos cubra com seu manto, Nossa Senhora do Brasil”.
Amém
Paz e Bem!

Nenhum comentário: