quinta-feira, 24 de julho de 2008

Santa Ágatha ou Agueda



Santa Ágatha ou Agueda

5 de Fevereiro

Protetora das enfermidades dos seios!

“Não te envergonhas de mutilar na mulher o que tua mãe te ofereceu para amamentar?”
Sta. Agatha


“Com o maior cuidado, a igreja recolheu as lembranças daqueles(as) que foram até o fim para testemunhar a fé. São as ‘atas dos mártires’. Constituem os arquivos da verdade escritos em letras de sangue. O martírio é o supremo testemunho prestado a verdade da fé; designa um testemunho que vai até a morte.”
(Catecismo da Igreja Católica)

A Nossa Santa

A prospera cidade de Catânia, bela por um privilegio da natureza, talvez a mais bela da Sicília, e a mais rica; serviu de berço natal para Agatha, que ao nascer despertou a atenção de todos por sua beleza e pela luminosidade de seus olhos.
Filha de nobres comerciantes que em tudo se empenhavam para a formação de seus filhos. Eram cristãos devotados, educaram e instruíram seus filhos no cristianismo, apesar de às escondidas por causa da perseguição do imperador Décio, pelos anos 250.
Agatha era dotada de uma inteligência invejável, além de uma beleza que encantava a todos. Nossa jovem era muito religiosa, nutria um amor por Jesus e a Ele consagrou sua vida de todo o coração, desejando por Ele renunciar os amores terrenos.
Como não deixaria de ser, uma jovem bela, rica e inteligente; cortejada por muitos jovens da sociedade Siciliana e a todos dispensava com delicadeza, pois seus planos eram outros. Porem, as coisas não são sempre fáceis quando se trata de sentimentos humanos.
Um senador romano ilustre e poderoso apaixonou-se pela jovem Agatha, e por ela era capaz de mover meio mundo. Quando recebeu dela a recusa de seu cortejo, tornou-se intratável e odioso. Seu nome era Quintianus, e, descobrindo que Agatha era cristã e que havia sido trocado por Cristo, deu inicio a uma violenta perseguição contra a jovem, inclusive entregando-a ao imperador Décio.
Pelo imperador, homem cruel e inimigo dos cristãos; foi submetida a um humilhante processo condenatório.
No momento do julgamento, o governador da cidade, vendo-a em sua presença, interrogou-a asperamente: “Tu a que casta pertences?” ao que Agatha respondeu: “Embora de família nobre e rica, tenho a honra e a alegria de ser serva de Jesus Cristo, meu Senhor e meu Deus.”
Condenada! Foi despida, amarrada e arrastada sobre cacos de vasos e brasas acesas e depois lhe arrancaram os seios com ferros cortantes.
Agatha, referindo-se aquela brutalidade, olhou para o juiz e disse: “Não te envergonhas de mutilar na mulher o que tua mãe te ofereceu para amamentar?”.
Nenhum remédio ou ataduras foram permitidas que se colocassem nas suas feridas e depois das cruéis torturas foi jogada num calabouço escuro, sujo, sem água e sem comida, para ali morrer.
Segundo a tradição, durante aquela noite Agatha teve uma visão de que São Pedro, acompanhado de um jovem que trazia uma tocha, foram visitá-la. O jovem aplicou óleos e ungüentos sobre os ferimentos e São Pedro impôs as mãos; e na manhã seguinte ela estava milagrosamente curada das feridas e restabelecida de suas forças físicas e espirituais.
O cruel senador Quintianus, ao tomar conhecimento do milagre, solicitou ao imperador que fossem intensificadas as torturas. Novamente a jovem Agatha, permanecendo fiel a Cristo, foi despojada de suas vestes e arrastada sobre brasas, cacos de vasos, marcada com ferro e lançada ao calabouço, onde em lagrimas exclamava: “Meu Senhor Jesus Cristo, vós sois o meu coração e minha vida. Leve-me e faça-me eternamente sua!” Nesse exato momento um terremoto sacudiu a prisão e ela então veio a falecer.
O funeral da virgem mártir Agatha foi bastante movimentado e todos os presentes testemunharam a presença de um jovem com uma tocha na mão.
No primeiro aniversario de sua morte o vulcão Etna entrou em erupção. Os cristãos devotos de Santa Agatha colocaram o véu que cobria o seu tumulo sobre as lavas do vulcão que imediatamente o estancaram, salvando a cidade de Catânia. Era o dia cinco de fevereiro; dia em que foi estabelecida a sua festa e também o seu patronato sobre a cidade.
Segundo também, a tradição, Santa Luzia esteve com sua mãe enferma no tumulo de Santa Agatha e ela foi milagrosamente curada.
Agatha é uma das poucas santas citadas no cânon da missa. Na arte litúrgica da igreja, ela é mostrada como uma mártir, com a palma do martírio e os dois seios em um prato.
Louvemos a Deus em nossos santos e santas, beatos e beatas, e em tantos mártires que regaram com seu sangue, a igreja de Jesus Cristo.
Parece impossível imaginar tantas crueldades contra cristãos nos dias de hoje, porém, em muitos lugares, cristãos são martirizados por defender a fé em Jesus Cristo, o mártir por excelência.
Que possamos, sempre, testemunhar com o exemplo e com a vivencia a nossa fé. Que nossa santa do mês, Agatha, nos ensine que o amor sempre vence!


Oração:

Oh! Santíssima Trindade, nós vos agradecemos pelas graças que concedestes a vossa fiel serva Santa Agatha; e que pela sua intersecessão à vossa infinita misericórdia, apesar de nossas misérias, vos digneis conceder a graça que humildemente imploramos...
Dignai-vos atender o nosso pedido, se assim for da vossa vontade.
Meu Senhor e meu Deus, eu vos ofereço o meu pedido em união com a paixão de Jesus Cristo, e com os méritos e virtudes de Sua Mãe Maria Santíssima.
Amém



Pai Nosso, Ave Maria, Gloria...Salve Rainha!
Paz e Bem!
Marcio Antonio Reiser O.F.S.

6 comentários:

Cantinho da Lissah disse...

Olá, eu sou Lidia, e estou fazendo uma série de posts sobre Santas virgens e mártires e gostaria de saber se posso usar esse post no meu blog. Eu indico a fonte.
Pax

Ágatha Histórias infantis! disse...

Ádorei, Meu nome é Ágatha, e então sou uma chará dela. tenho uma correntinha com a foto dela. Ela é muito linda!

facas disse...

Mais uma que sofreu pelo amor a Deus que exemplo, que fé maravilhosa.

Allanah Santos disse...

ela era grega ?

Morena Matias dos Anjos disse...

Oi... não Catania fica na Sicília, que é uma ilha da Itália.

agda.basso@yahoo.com.br disse...

oi sou agda e assim que escrevo meu nome.
meu ex marido se chama décio, mesmo nome do imperador que mandou tortura-la